Metabolismo anaeróbico vs. metabolismo aeróbico. Como funcionam?

Regularmente ouvimos referências aos exercícios aeróbicos e exercícios anaeróbicos. Mas por que são eles chamados assim? Tudo tem a ver com o metabolismo utilizado pelo organismo para responder às necessidades energéticas de cada tipo de exercício.

Neste artigo, vamos perceber como funciona cada um deles.

Como funciona o sistema aeróbico?

Quando realizados regularmente, os exercícios aeróbicos permitem uma eficiente perda de peso. Para entendermos o por quê de eles conduzirem à perda de peso, temos de perceber como ele funciona.

Na presença de oxigénio, o metabolismo aeróbico produz ATP (adenosina trifosfato, a energia do corpo) a partir da quebra de glicogénio (processo conhecido por glicogenólise) e de gorduras (processo conhecido por lipólise). Apesar do sistema aeróbico não conseguir produzir ATP tão rápido quanto o sistema anaeróbico, ele consegue produzi-lo em maiores quantidades.

Quando inicias a actividade física, o organismo serve-se do metabolismo anaeróbico para produzir energia, pois este permite produzir ATP rapidamente, ainda que em poucas quantidades. No entanto, se o tipo de exercício que estás a praticar é de baixa-média intensidade e longa duração, o organismo passa a produzir ATP através do sistema aeróbico.

correr ao ar livre

Como funciona o sistema anaeróbico?

Como referido anteriormente, mal a pessoa inicia a sua actividade física, o sistema anaeróbico é activado. Ele é o sistema energético predominante em actividades que durem até cerca de 90 segundos, como as séries de musculação, saltos em altura ou sprints.

De maneira a responder à demanda do organismo por grandes quantidades de energia de forma rápida, a glicose segue outras vias de produção de energia, vias essas que não necessitam da presença de oxigénio. Isto permite poupar muito tempo ao organismo.

Ao fim de 30 segundos de exercício físico de alta intensidade, este sistema já contribuiu com 60% da energia gasta. Após dois minutos de exercício intenso, a contribuição deste sistema caiu para os 35%.

O metabolismo anaeróbico utiliza os hidratos de carbono sob a forma de glicogénio muscular ou glicose. O glicogénio é quebrada em glicose que, por sua vez, é rapidamente quebrado na ausência de oxigénio para formar ATP e ácido láctico.

Cada molécula de glicose é capaz de produzir duas moléculas de ATP, o que o torna num sistema algo ineficiente. Ou seja, este sistema permite produzir energia de forma rápida, mas em pequenas quantidades.

Depois de produzido, o ácido láctico acaba por se dividir em lactato e iões de hidrogénio. A acumulação dos iões de hidrogénio acabará por dificultar a contração muscular e causar fadiga muscular. Portanto, quando maior a produção de ácido láctico, maior a acumulação de iões de hidrogénio e mais rapidamente se atingirá a fadiga muscular.

Conclusão

Cada um destes sistemas energéticos foi concebido para um determinado uso, mediante determinadas condições. O sistema anaeróbico fornece energia instantânea para a actividade física de curta duração e alta intensidade. O sistema aeróbico fornece energia para a actividade física de média-longa duração e de média-baixa intensidade.

O treino intervalado de alta intensidade utiliza ambos os sistemas, daí os bons resultados que este tipo de treino permite pois, o treino melhora a eficiência dos dois sistemas energéticos.

Autor: Marcos Sabino

Marcos Sabino criou o Tá Fitness em 2012. Licenciou-se em Comunicação Social na Universidade do Minho, onde também tirou o mestrado. Trabalhou 4 anos na Prozis, em Portugal, e em 2014 mudou-se para Inglaterra onde trabalha desde então na Myprotein. Possui um canal no Youtube onde dá dicas de nutrição e suplementação e um perfil no Instagram (@marcossabinofitness).

Facebook Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *