Maca Peruana: o que é? Para que serve? Benefícios

Existem várias razões pelas quais o interesse na maca peruana cresceu exponencialmente nas últimas duas décadas, levando-a a ser comercializada sob a forma de suplemento alimentar. Neste artigo vamos explorar todos os benefícios geralmente atribuídos à maca peruana e olhar para as evidências científicas a respeito da mesma.

Assiste também ao vídeo em que falo sobre as minhas preocupações a respeito das alegações que médicos fazem sobre a maca peruana:

O que é a maca peruana?

A maca peruana é o nome pela qual a planta Lepidium meyenii é conhecida e na última década ganhou uma popularidade gigante em todo o mundo. Ela é cultivada há mais de 2000 anos na cordilheira dos Andes no Peru, a mais de 4000 metros de altitude (1). Por vezes, também é referida como ginseng peruano.

Hoje em dia, o seu consumo é generalizado e pode ser consumida em forma de pó (por exemplo, adicionando a iogurtes ou batidos) ou em forma líquida, estando também disponível em cápsulas.

Para que serve a maca peruana?

Existe um grande leque de benefícios normalmente atribuídos a esta planta, sendo os principais a melhoraria da função sexual (libido), da fertilidade, aumento da energia, da concentração e da memória, aumento dos níveis de testosterona e atenuação dos efeitos da menopausa.

Um factor importante a ter em conta é que, até à data, embora existam alguns estudos realizados em seres humanos, a maioria dos estudos com maca foram realizados em modelos animais.

Tipos de maca peruana

Existem três tipos diferentes de maca peruana consoante a cor da sua raíz: amarela, vermelha ou preta. Todas elas apresentam uma composição única o que se traduz em diferentes efeitos biológicos observados (2).

De acordo com um estudo publicado em 2016 que comparou diferentes tipos de maca peruana, foi reportado que a maca vermelha parece ser mais eficaz a melhorar a libido, o humor e a aumentar a energia do que a maca preta (3).

A maca peruana é considerada um super-alimento

A maca peruana é um alimento nutricionalmente rico e bastante completo e, como tal, tem sido consumido pela população local do Peru como um alimento. Ela é uma excelente fonte de várias vitaminas e minerais. A nível de composição de macronutrientes, cada 100 gramas de maca seca contém 10% de proteínas, 59% de hidratos de carbono, 2% de gorduras e 8,5% de fibra (). Os principais ácidos graxos presentes na maca são o ácido linoleico, o ácido palmítico e o ácido oleico.

A tabela que se segue mostra a quantidade de alguns aminoácidos e minerais presentes na maca peruana (4), (5):

composição maca peruana

Maca peruana aumenta testosterona e massa muscular?

Apesar de várias marcas de suplementos afirmarem que a maca peruana promove o aumento natural de testosterona e, por consequência, favorece o crescimento muscular, a verdade é que os poucos estudos que avaliaram o efeito da suplementação com maca peruana nos níveis hormonais de homens saudáveis, não encontraram nenhum efeito positivo (6), (7).

Num destes estudos, publicado em 2003, homens entre os 21 e os 56 anos consumiram 1,5 ou 3 gramas de maca peruana diariamente durante 12 semanas. Os investigadores recolheram amostras de sangue em vários períodos ao longo do estudo: no início e após 2, 4, 8 e 12 semanas. Não foi observado nenhum aumento nos níveis de nenhuma das hormonas analisadas, incluindo a testosterona, a hormona luteinizante e a hormonal folículo-estimulante (7).

Maca e a performance desportiva

Relativamente ao campo da performance desportiva, os estudos científicos são igualmente muito parcos. Apenas um estudo publicado em 2009 procurou avaliar se a suplementação com maca tinha algum impacto em indicadores de rendimento desportivo (8).

O estudo foi realizado com ciclistas que completaram uma prova de contra-relógio de 40 km antes e após consumirem ou 2 gramas de maca ou um placebo durante 14 semanas. Os investigadores relataram que a maca não promoveu melhorias a nível da performance desportiva mais do que o placebo. No entanto, os participantes relataram um aumento na libido.

Efeitos da maca peruana no aumento da libido

Um dos maiores benefícios atribuídos à maca é o seu efeito no aumento da fertilidade. Uma revisão de 2010 que incluiu quatro estudos, com um total de 131 participantes, concluiu existirem evidências de que a maca pode melhorar a libido após pelo menos seis semanas de ingestão contínua (9). A dose mais eficaz parece ser 3 gramas por dia.

Dois dos quatro estudos considerados para esta revisão sugeriram um efeito positivo significativo da maca na melhoria da disfunção sexual e no aumento do desejo sexual em mulheres saudáveis em período pós-menopausa e homens adultos saudáveis.

Na sua conclusão, os investigadores alertaram para o facto de o número de estudos existentes assim como o tamanho total das amostras e a qualidade metodológica dos estudos são muito limitados para tirar conclusões firmes.

Outro estudo publicado mais recentemente em 2015 encontrou benefícios a nível do aumento da concentração e mobilidade dos espermatozóides em homens saudáveis com idades entre os 20 e os 40 anos que consumiram 1,75 gramas de maca durante 12 semanas (10).

suplemento-maca-peruana

Efeitos da maca peruana em mulheres na pós-menopausa

No período pós-menopausa, é comum algumas mulheres sentirem alguns sintomas desconfortáveis como alterações de humor, problemas de sono e uma maior irritabilidade. Em 2011, uma revisão considerou 4 estudos que compararam a atuação de um placebo à suplementação com maca peruana relativamente aos sintomas da menopausa (11).

Os investigadores observaram que a maca pode ajudar a aliviar algumas sintomas normalmente associados à menopausa como uma melhoria do sono, maior capacidade de concentração e diminuição da irritabilidade.

No entanto, mais uma vez foi alertado para o facto de o número existente de estudos não serem suficientes de modo a ser possível tirar conclusões sólidas.

Maca peruana é segura?

Um estudo de 2016 que comparou maca vermelha a maca preta durante 12 semanas não encontrou efeitos adversos da suplementação com maca (12).

Uma revisão publicada em 2018 avaliou 17 estudos da maca peruana realizada em modelos humanos e animais e concluiu que ainda existe pouca informação relativamente à toxicidade deste suplemento, pelo que mais investigação é necessária (13). Segundo este trabalho, a maca mostra bastante potencial, no entanto, é necessária mais pesquisa biomédica antes de ser possível recomendar este suplemento de forma segura.

Conclusão

Apesar da maca peruana ser bastante recomendada por influenciadores no Youtube (alguns deles médicos), conforme vimos, a maioria das revisões publicadas a respeito da maca alertam para o facto de ainda existirem muito poucos estudos realizados com seres humanos nas mais diversas áreas.

Há um trabalho científico recente publicado em 2018 intitulado “A febre em torno das alegações sobre a saúde reprodutiva da maca é justificada?” (14) que faz considerações muito interessantes sobre a maca. Resumindo:

    • O aumento da procura por esta planta obrigou à alteração dos métodos tradicionais de cultivo passando a incluir o uso de fertilizantes e pesticidas, o que pode potencialmente afetar a composição química da planta e, portanto, a qualidade, segurança e eficácia da mesma.
    • Até à presente data, os ensaios clínicos em animais e seres humanos produziram resultados inconclusivos. Algumas das principais limitações residem na metodologia e no tamanho das amostras utilizadas.
    • Até ao momento, as alegações de saúde sobre a maca peruana não podem ser totalmente apoiadas do ponto de vista científico, sendo necessários mais estudos. Parece que o conhecimento local sobre os benefícios para a saúde da maca foi tirada do contexto de forma a satisfazer a procura de um mercado crescente de remédios fitoterápicos (ou seja, remédios à base de extractos de plantas).
    • Esta globalização (ou febre, especialmente na China), também trouxe sérias consequências para os produtores locais no Peru. A falta de protocolos para regular a produção e a comercialização da maca durante esta rápida expansão representa uma ameaça para a segurança dos consumidores e a sustentabilidade do fornecimento.

Autor: Marcos Sabino

Marcos Sabino criou o Tá Fitness em 2012. Licenciou-se em Comunicação Social na Universidade do Minho, onde também tirou o mestrado. Trabalhou 4 anos na Prozis, em Portugal, e em 2014 mudou-se para Inglaterra onde trabalha desde então na Myprotein. Possui um canal no Youtube onde dá dicas de nutrição e suplementação e um perfil no Instagram (@marcossabinofitness).

*Usem o código SABINOMP no site da Myprotein para terem descontos de até 50% na vossa encomenda.

2 comments

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *