Glutamina | O que é? Para que serve? Como tomar?

A glutamina é o aminoácido não-essencial mais abundante no corpo e tem várias funções fisiológicas importantes [*1]. A maior parte da glutamina é armazenada nos músculos, mas também pode ser encontrada no fígado, nos pulmões, no cérebro e no plasma sanguíneo.

A glutamina é precursora dos aminoácidos citrulina [*2] e arginina [*3] importantes para o processo de vasodilatação -, do neurotransmissor GABA [*4] e do antioxidante glutationa [*5].

De um ponto de vista fisiológico, a glutamina é interessante devido aos seus efeitos na remoção da amónia gerada pelo exercício físico [*6], [*7], uma toxina nociva para o organismo, e pelo seu papel fundamental na manutenção do sistema imunitário.

A glutamina e o sistema imunitário

A glutamina é normalmente considerada um aminoácido não-essencial. No entanto, estudos recentes forneceram provas de que a glutamina pode tornar-se condicionalmente essencial durante condições inflamatórias, tais como períodos de infecções, lesões ou pós-cirurgia [*8], [*9].

A glutamina constitui uma fonte de energia muito importante para algumas células do sistema imunitário, nomeadamente os linfócitos e macrófagos. Os estudos sugerem que estas células recorrem à glutamina em maior quantidade do que recorrem à glicose, daí a importância desse aminoácido para o normal funcionamento do sistema imunitário.

Depois de exercício físico de longa duração, os níveis de glutamina no sangue caem drasticamente [*10]. A investigação científica mostra que os atletas que fazem treinos longos e desgastantes encontram-se mais vulneráveis a infecções depois do treino [*11]. A suplementação com glutamina pode ajudar a reduzir o risco de contrair infecções e diminui os níveis de inflamação [*12].

treino com halteres

Glutamina e a síntese de glicogénio

À semelhança da creatina, a glutamina também puxa água para dentro das células, contribuindo para a sua hidratação. Por esse motivo, é reconhecido a sua contribuição para a síntese de glicogénio e de proteína.

Para averiguar se a glutamina desempenhava algum papel na síntese de glicose, Varnier e Leese reuniram grupos de seis indivíduos em que estes tinham de pedalar durante 90 minutos a 70 e 140% do VO2 máx. O protocolo de exercício foi concebido para esgotar as reservas de glicogénio.

Após o exercício, os indivíduos receberam uma de três soluções: a) 30 mg/kg de glutamina, b) alanina e glicina ou c) uma solução salina. Os investigadores repararam que, duas horas após o exercício, a concentração de glicogénio muscular tinha aumentado significativamente mais nos indivíduos que receberam glutamina [*13].

Outros estudos realizados posteriormente encontraram efeitos semelhantes [*14], [*15].

Glutamina e a síntese de proteína

Relativamente à contribuição da glutamina na síntese proteica, ainda existem algumas dúvidas. Uma análise feita com ratos encontrou relação entre a glutamina intramuscular e a síntese de proteínas, tanto na presença como na ausência de insulina [*16].

No entanto, os mesmos resultados não foram encontrados posteriormente nem em estudos com ratos [*17] nem com seres humanos [*18].

Foi sugerido que a glutamina possui propriedades anti-catabólicas, no entanto, a evidência está limitada a indivíduos em tratamento com glicocorticóides, compostos que provocam a perda de massa muscular [*19], [*20].

Glutamina e a resposta hormonal

Em 1995, um estudo demonstrou que uma pequena dose de glutamina foi suficiente para elevar as quantidades séricas de hormona do crescimento [*21].

Mais recentemente, outro estudo voltou a pegar neste assunto. Alguns indivíduos sem experiência de treino consumiram 0,35gr/kg de glutamina durante 8 semanas (o equivalente a 28gr de glutamina numa pessoa de 80kg) e treinaram 3 vezes por semana.

Os indivíduos de ambos os grupos aumentaram o seu desempenho, no entanto, o grupo suplementado com glutamina apresentou ganhos significativamente maiores na parte superior e inferior do corpo, em termos de resistência, força explosiva, níveis de testosterona, hormona de crescimento e IGF-1 no sangue. As concentrações cortisol foram significativamente menores no grupo da glutamina em comparação com o grupo placebo [*22].

mulher a levantar halteres

Glutamina e performance desportiva

Independentemente dos resultados encontrados no estudo anterior, ao nível do desempenho desportivo, a glutamina não parece ser interessante.

O consumo único de 0,3g/kg de glutamina precedido de uma sessão de musculação não aumentou a performance em atletas com experiência de treino [*23].

No exercício aeróbico, a coisa não parecer ser muito diferente. Dez homens com experiência de treino realizaram cinco sessões de treino numa bicicleta ergométrica a 100% do VO2 máximo. As sessões de treino aconteceram 90 minutos após o consumo de 0.03g/kg de glutamina. Não houve diferenças significativas nos níveis de ácido lático (marcador de fadiga muscular) no sangue entre os grupos [*24].

Um estudo com protocolo semelhante também não encontrou benefícios da suplementação com uma dose única de 0,3g/kg de glutamina na síntese de glicogénio e de proteína [*25].

Poderia argumentar-se que estes estudos não encontraram benefícios na suplementação com glutamina porque os voluntários apenas consumiram uma única dose. No entanto, mesmo num estudo em que os participantes consumiram 0,9gr/kg de glutamina durante 6 semanas não foram verificados efeitos significativos no desempenho desportivo, composição corporal ou degradação proteica [*26].

Conclusão

A glutamina é muito interessante numa perspectiva de saúde (fortalecimento do sistema imunitário) e de recuperação pós-treino (através da ressíntese de glicogénio e eliminação de resíduos metabólicos). Já do ponto de vista da performance e do ganho de massa muscular, não parece ser o suplemento mais indicado.

As fontes alimentares de glutamina incluem proteínas vegetais e animais como carne bovina, suína e de aves -, leite, iogurte, queijo ricota, queijo cottage, espinafre cru, salsa crua e repolho [*27].

Nestes vídeos abordo todos os pontos discutidos neste artigo:


REFERÊNCIAS OU NOTAS:
[*1] Roth, E., Nonnutritive Effects of Glutamine, J. Nutr. October 2008 vol. 138 no. 10
[*2] van de Poll MC, et. al., Intestinal and hepatic metabolism of glutamine and citrulline in humans, J Physiol. 2007 Jun 1;581(Pt 2):819-27
[*3] Ligthart-Melis, G. et. al., Glutamine is an important precursor for de novo synthesis of arginine in humans, Am J Clin Nutr May 2008 vol. 87 no. 5 1282-1289
[*4] Struzyńska L. & Sulkowski G., Relationships between glutamine, glutamate, and GABA in nerve endings under Pb-toxicity conditions, J Inorg Biochem. 2004 Jun;98(6):951-8
[*5] Amores-Sánchez MI. & Medina MA., Glutamine, as a precursor of glutathione, and oxidative stress, Mol Genet Metab. 1999 Jun;67(2):100-5
[*6] Bassini-Cameron A. et. al., Glutamine protects against increases in blood ammonia in football players in an exercise intensity-dependent way, Br J Sports Med. 2008 Apr;42(4):260-6. Epub 2007 Nov 5
[*7] Carvalho-Peixoto J. & Alves RC. & Cameron LC., Glutamine and carbohydrate supplements reduce ammonemia increase during endurance field exercise, Appl Physiol Nutr Metab. 2007 Dec;32(6):1186-90
[*8] Newsholme, P., Why Is l-Glutamine Metabolism Important to Cells of the Immune System in Health, Postinjury, Surgery or Infection?, J. Nutr. September 1, 2001 vol. 131 no. 9 2515S-2522S
[*9] Calder PC. & Yaqoob P., Glutamine and the immune system, Amino Acids. 1999;17(3):227-41
[*10] Agostini F. & Biolo G., Effect of physical activity on glutamine metabolism, Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2010 Jan;13(1):58-64
[*11] Castell LM. & Newsholme EA., The effects of oral glutamine supplementation on athletes after prolonged, exhaustive exercise, Nutrition. 1997 Jul-Aug;13(7-8):738-42
[*12] Castell LM. & Poortmans JR. & Newsholme EA., Does glutamine have a role in reducing infections in athletes?, Eur J Appl Physiol Occup Physiol. 1996;73(5):488-90
[*13] Varnier M. et. al., Stimulatory effect of glutamine on glycogen accumulation in human skeletal muscle, Am J Physiol. 1995 Aug;269(2 Pt 1):E309-15
[*14] Perriello G, . et. al., Regulation of gluconeogenesis by glutamine in normal post absorptive humans, Am J Physiol. 1997 Mar;272(3 Pt 1):E437-45
[*15] Bowtell JL. et. al., Effect of oral glutamine on whole body carbohydrate storage during recovery from exhaustive exercise, J Appl Physiol. 1999 Jun;86(6):1770-7
[*16] MacLennan PA, & Brown RA, & Rennie MJ., A positive relationship between protein synthetic rate and intracellular glutamine concentration in perfused rat skeletal muscle, FEBS Lett. 1987 May 4;215(1):187-91
[*17] Wusteman, M. & Elia, M., Effect of Glutamine Infusions on Glutamine Concentration and Protein Synthetic Rate in Rat Muscle , JPEN J Parenter Enteral Nutr September 1991 vol. 15 no. 5 521-525
[*18] Januszkiewicz A, et. al., Effect of a short-term infusion of glutamine on muscle protein metabolism postoperatively, Clin Nutr. 1996 Oct;15(5):267-73
[*19] Hickson RC, & Czerwinski SM, & Wegrzyn LE., Glutamine prevents downregulation of myosin heavy chain synthesis and muscle atrophy from glucocorticoids, Am J Physiol. 1995 Apr;268(4 Pt 1):E730-4
[*20] Hickson RC, et. al., Alanyl-glutamine prevents muscle atrophy and glutamine synthetase induction by glucocorticoids, Am J Physiol. 1996 Nov;271(5 Pt 2):R1165-72
[*21] Welbourne TC., Increased plasma bicarbonate and growth hormone after an oral glutamine load, Am J Clin Nutr. 1995 May;61(5):1058-61
[*22] Hakimi, M. & Mohamadi, M. & Ghaderi, Z., The effects of glutamine supplementation on performance and hormonal responses in non-athlete male students during eight week resistance training, Journal of Human Sport and Exercise Vol 7, No 4 (2012)
[*23] Antonio J, et. al., The effects of high-dose glutamine ingestion on weightlifting performance, J Strength Cond Res. 2002 Feb;16(1):157-60
[*24] Haub MD, et. al., Acute L-glutamine ingestion does not improve maximal effort exercise, J Sports Med Phys Fitness. 1998 Sep;38(3):240-4
[*25] Wilkinson SB, et. al., Addition of glutamine to essential amino acids and carbohydrate does not enhance anabolism in young human males following exercise, Appl Physiol Nutr Metab. 2006 Oct;31(5):518-29
[*26] Candow DG, et. al., Effect of glutamine supplementation combined with resistance training in young adults, Eur J Appl Physiol. 2001 Dec;86(2):142-9
[*27] Lenders CM, et. al., Evaluation of a novel food composition database that includes glutamine and other amino acids derived from gene sequencing data, Eur J Clin Nutr. 2009 Dec;63(12):1433-9

Autor: Marcos Sabino

Marcos Sabino criou o Tá Fitness em 2012. Licenciou-se em Comunicação Social na Universidade do Minho, onde também tirou o mestrado. Trabalhou 4 anos na Prozis, em Portugal, e em 2014 mudou-se para Inglaterra onde trabalha desde então na Myprotein. Possui um canal no Youtube onde dá dicas de nutrição e suplementação e um perfil no Instagram (@marcossabinofitness).

One comment

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *